quinta-feira, 20 de março de 2014

EU CORRO PORQUE - Aline Balazina

A corrida nos traz uma infinidade de benefícios, até mesmo para os nossos estudos. Segundo Kevin Lynch no livro "A Imagem da Cidade", a melhor maneira de se conhecer uma cidade é se perdendo nela, principalmente a pé. Para a estudante de arquitetura e urbanismo Aline Balazina, esta pequena frase a fez refletir e, por que não, colocá-la em prática.

Há pouco tempo fazendo intercâmbio acadêmico em Milão, na Itália, a ideia de correr nas cidades que visita surgiu primeiro do amor que tem pela corrida e do bem que isso lhe faz e, também, pela necessidade de manter uma rotina de treinos. Com isso, analisa todas as falhas e acertos na arquitetura do Velho Mundo que, sem dúvida, a influenciará nos projetos futuros. E para ela tem sido uma experiência incrível, Vê coisas que os turistas comuns não percebem! "Correndo, você tem a percepção do clima, do terreno, do lugar". Confira a seguir o depoimento de Aline:

Acordar 5h30 da manhã para correr é bem comum na minha rotina semanal,
Coliseu - Roma
mas não foi sempre assim... Depois que entrei na faculdade, me tornei totalmente sedentária e tinha uma alimentação totalmente desregrada - com muitos excessos de doces, principalmente! Resultado: aos 20 anos, meu colesterol estava altíssimo, o dobro do indicado para a minha idade. Meu médico me receitou na hora um remédio para abaixar o índice o quanto antes. Só que só o que eu pensava era: "se com 20 anos tô desse jeito, como vou chegar nos 30?!". E foi aí que toda a mudança começou... Procurar uma nutricionista foi o primeiro passo, seguido pela busca de uma atividade física que eu gostasse. Já havia tentado correr uma vez, mas perdia o fôlego com 100m de distância. Só que, dessa vez, eu decidi me desafiar e fui em frente... Coloquei na cabeça que minha saúde era prioridade e, com o tempo, o que antes era sacrifício, virou hábito natural. E o melhor: saber que aquilo me faz bem, me dá prazer e força pra seguir em frente!
Hoje em dia, acordo cedo, tomo meu suco verde todos os dias, inclusive nos finais de semana, não consigo ficar sem e vou fazer alguma atividade física. Hoje em dia corro três vezes por semana e intercalo com musculação e spinning. Tenho um dia de descanso. Depois de feita a "academia" do dia é que eu vou me preparar para ir para a faculdade, onde passo a maior parte do meu dia. Mesmo assim, sempre arranjo tempo para levar as refeições de casa, já que o restaurante universitário aqui na Itália é cheio de tentações - pizza e massas, claro. Nos finais de semana, sempre tento manter um equilíbrio na alimentação. Lógico que sempre tem alguma ocasião que a gente desencana, mas aprendi que equilíbrio é tudo!

Aline Balazina - estudante de arquitetura e urbanismo em Milão - Itália

quantas corridas realizadas - 3 no Brasil e 1 na Itália.
quando começou a correr - no início de 2013, com 20 anos.

por que começou a correr - principalmente para abaixar o colesterol e emagrecer.
relate algo curioso - uma das coisas que mais gosto de correr na rua é ver a reação das pessoas quando me veem com meu tênis laranja por aí. Cada um tem uma reação diferente: alguns parecem admirar, outros parecem querer se juntar a mim, mas a maioria me olha com cara de "que louca é essa correndo a essa hora aqui?". Por algum motivo, essas são as pessoas que mais me motivam a continuar.

onde costuma treinar - prefiro correr em parques públicos ou na margem dos
rios aqui na Europa, depende do que a cidade oferece. Mas nos dias de inverno me contento com a esteira da academia.

o dia de heroína - quando completei minha primeira prova de 5k! Foi muito bom! Mas logo que acabei a prova fiquei sabendo que meu avô tinha falecido naquela manhã... Dediquei aquela conquista a ele... Para mim, significou muito e hoje sempre lembro dele em algum momento da corrida. Acho que ele ficaria feliz com a superação constante que tenho vivido.
corrida dos sonhos - a meia maratona no Rio de Janeiro! Ainda chego lá!

antes da largada - fecho os olhos, faço uma pequena oração e respiro fundo!
na chegada - abro os braços e sorrio olhando pro céu.
pior corrida - quando tentei correr na areia fofa pela primeira vez. Não estava nenhum pouco preparada para esse tipo de terreno e fazia mais de 30 graus... foi um desastre.
quem admira no esporte - quando comecei a correr descobri um blog chamado "Blog da Debs". A Debs é mãe, esposa, amiga e um exemplo de mulher. Sempre achei ela um exemplo e ultimamente tenho admirado mais ainda a sua força depois de descobrir um câncer de mama. Ela nem sabe que existo mas ela já me ajudou muito com seus posts e hoje rezo para que ela se recupere logo das quimioterapias e de todo esse processo doloroso pelo qual está passando.
correr é - para mim a corrida é sinônimo de liberdade: posso ir aonde eu quiser, até onde eu quiser, como eu quiser. A única pessoa que pode me limitar sou eu mesma. E é muito interessante quando você percebe que isso, na verdade, vale pra tudo na vida.

quinta-feira, 13 de março de 2014

terça-feira, 4 de março de 2014

O TERROR DO SMARTPHONE

Quem me conhece sabe que se existe algo que me irrita é esse tal de smartphone. Para mim, ele é o terror do século na mão de algumas pessoas. Sem dúvida, é o melhor meio de comunicação até o momento. E não sou somente eu que reclamo. Recentemente, atores de teatro lançaram uma campanha para o pessoal se conter e não usar o bendito durante a peça, porque a luzinha desconcentra o ator, no cinema, é pior ainda. 

Por que este meu trauma do aparelhinho, já que eu que eu também tenho um, claro, embora tente usá-lo com o máximo de cuidado? Em algumas provas, principalmente a São Silvestre, o que mais tem é corredor com o celular, gravando vídeos, fotografando e atrapalhando os demais.

Por exemplo, na corrida do aniversário de São Paulo no Ibirapuera, estava focado em conseguir um bom tempo, daí, passando pelo pórtico de largada, um cara para na minha frente para fazer um self (foto de si mesmo). Parece brincadeira, mas acredite é comum acontecer.

Por isso, todo semancol é pouco na hora de usar o celular durante uma prova. Quer registrar o momento daquela corrida tão aguardada, sem ser um estorvo na vida dos outros corredores? Então olhe ao redor, certifique-se que não irá atrapalhar ninguém, se possível, posicione-se de preferência na calçada ou no canteiro central e capriche no clique. Use o smarphone a seu favor, e não para atrapalhar os outros!!!